fbpx

LABORATÓRIO A CÉU ABERTO

Quando se trata de produtos para beleza, saúde, perda de peso, muitas vezes esquecemos que a solução está bem perto, os ingredientes estão espalhados num grande laboratório a céu aberto.

Já pensou que o extrato de laranjas vermelhas do tipo Moro, cultivadas em torno do vulcão Etna na Sicília (Itália), podem ajudar a reduzir a gordura abdominal e gerenciar o peso?

Consegue imaginar que um cacto do tipo Opuntia tem propriedades incríveis como diurético e antioxidante?

Estamos falando de dois produtos já conhecidos dos consumidores: Morosil e Cactin.

Insumos totalmente derivados da natureza, presentes no nosso dia a dia colaborando para o bem-estar coletivo.

Com o aumento da preocupação das pessoas com sua saúde e aparência, somado a busca de produtos com menos efeitos colaterais e sustentáveis, essa gama de ativos derivados de algas, plantas, frutas entre outras, ganharam projeção internacional. Tornando-se a preferência da maioria da população que deseja reduzir seu colesterol, impedir a formação de radicais livres e por que não, diminuir aquela “barriguinha” que incomoda.

Falando em gordura localizada, de imediato os carboidratos vem a cabeça. A redução e o retardamento na absorção deles, faz que transitem com mais rapidez até o intestino e com isso não se transformem em gordura, sendo depois eliminados pelas fezes. Duas algas de nome Ascophyllum nodosum e Fucus vesiculosus é que possibilitam essa ação, inibindo 2 enzimas presentes no sistema digestivo humano: alfa-glucosidase e a alfa-amilase.

A base de polifenóis das algas, contribui na redução da absorção de açúcares, sendo recomendado para quem possui diabetes, pois bloqueia a digestão e assimilação do amido no sangue. O ativo testado e comprovada sua ação que contém essas algas é o INSEA.

Todos esses exemplos, mostram a necessidade da indústria farmacêutica de se reinventar gerando uma oportunidade que melhore sua performance como provedor de tecnologia.

Isso serve muito para o Brasil, que tem uma flora e fauna espetaculares, com possibilidades infinitas de ocupar lugar de destaque no centro da pesquisa farmacológica mundial.

Para isso precisamos nos conscientizar do valor que existe na preservação das nossas espécies, de nossas florestas e de nossos mares. Não existe a menor chance de conseguirmos continuar habitando esse “planeta azul”, se não entender que além de um imenso laboratório a céu aberto, ele é único e é a nossa morada por mais bastante tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *